Skip to main content
Foy Vance looking at Seattle Great Wheel
1 de 1
  • Estados:
    Washington

Savvy Seattle, Washington: onde a inovação e a natureza colidem

O aclamado cantor e compositor da Irlanda do Norte, Foy Vance, viajou pelos Estados Unidos da América, percorrendo os trilhos da música, história e cultura. Em Seattle, no estado de Washington, descobriu uma cidade com um espírito distintamente independente.

Para Vance, é a localização de Seattle que a torna numa cidade tão única: "Não há cidade como esta em todos os Estados Unidos. Seattle, no estado de Washington, está, literalmente, nos limites da América, bem acima, no canto noroeste do país. Há algo incrível que vem de uma cidade isolada, é algo que só se pode sentir quando se vai lá".

Seattle é habitada há, pelo menos, 4000 anos e a maior região de Puget Sound há cerca de 12.000. Os primeiros colonos europeus chegaram aqui em 1851 e escolheram estabelecer-se perto de uma aldeia dos indígenas Duwamish. A localidade recebeu, mais tarde, o nome de Seattle para homenagear o líder das tribos ameríndias locais, Sealth, que mostrou uma notável hospitalidade aos colonos.

"Hoje Seattle é apelidada de Cidade Esmeralda", explica Foy Vance, um título que advém do deslumbrante cenário da cidade: grandes áreas verdes com o Monte Rainier, coberto de neve, no horizonte. "Quando a visitamos, sentimo-nos como se estivéssemos a descobrir uma joia escondida”.

The Space Needle
Ver mais

Grandes marcas que começaram pequenas

A Seattle, do século XX, foi um ‘hotspot’ para a indústria do conhecimento e da tecnologia de ponta tornando-se no berço de empresas gigantes globais como a Starbucks, s Amazon, a Boeing e a Microsoft. Foi aqui que estas empresas começaram a dar os primeiros passos tornando-se, depois, nas multinacionais que são hoje. A Amazon, por exemplo, começou a sua vida na garagem do fundador Jeff Bezos. A Starbucks começou, em 1971, com uma única loja em Seattle, a vender grãos de café torrados inteiros. Foi só em 1986 que se transformou numa cafetaria.

Apesar de ser o berço de algumas grandes marcas, Seattle mantém o seu ambiente de pequena escala e abriga inúmeras micro marcas, de livrarias independentes a inúmeras cafetarias independentes como a Analog Coffee, até aos comerciantes que vendem os seus produtos no Pike Place Market. Esta é uma cidade onde o pequeno é definitivamente bonito.

Public Market sign
Ver mais

A não perder: os nossos locais favoritos em Seattle

Esta não foi a primeira visita de Vance a Seattle, no estado de Washington. Sempre que está na cidade, sente-se como se estivesse em casa: "as pessoas parecem-me um pouco britânicas da Irlanda do Norte: são um pouco cínicas, espertas e conhecem a sua música". Aqui estão algumas das suas recomendações para o que fazer na cidade:

  1. A Easy Street Records é o primeiro local que Foy Vance destaca em Seattle. "É a loja de discos mais incrível do mundo", diz ele sobre o lugar onde os Pearl Jam deram o seu maior concerto. O local é mais do que uma loja de discos, possui um palco, um bar, uma cozinha e um salão de festas. "Há música fantástica o dia todo", diz Foy.
  2. Foi o aumento do preço das cebolas, entre 1906 e 1907, que criou as necessárias para a criação do Mercado de Pike Place, de Seattle. O vereador, Thomas Revelle, propôs a criação de um mercado público municipal onde os agricultores poderiam vender diretamente aos consumidores. O novo mercado teve um êxito imediato. Ainda hoje floresce e não há melhor lugar para os visitantes terem uma ideia do sabor da cidade.
  3. O Seattle's Space Needle é icónico, imediatamente reconhecível em todo o mundo. O seu design futurista foi criado para a Feira Mundial de 1962, quando parecia que a vontade do homem de explorar o espaço não tinha limites. Os visitantes da "top house" têm uma visão de 360 graus da cidade, do Monte Rainier, do Puget Sound, das Cascatas e das Montanhas Olímpicas. Foi alvo de remodelações recentes. Entre outras coisas, o edifício tem agora um chão de vidro giratório.
  4. O KEXP Gathering Space é um lugar único que permite às pessoas relacionarem-se através do amor à música e à arte. O local incorpora uma área de convivência, uma cafetaria, uma loja de discos e um espaço de exposições. Todos construídos em torno do estúdio da rádio KEXP. Vá até lá para uma visita pelos bastidores, para assistir a uma apresentação ao vivo gratuita ou, simplesmente, absorver a atmosfera.
  5. O Museu da Cultura Pop merece uma visita nem que seja apenas para ver a estrutura arrojada e colorida do arquiteto Frank Gehry, aparentemente modelada numa guitarra destruída. No interior, vai descobrir exposições dedicadas ao impacto das obras criativas nas nossas vidas, desde ficção científica à música pop, da moda aos videojogos. Com as suas experiências interativas e exposições em constante mudança, é um destino como nenhum outro.
Seattle Public Market
Ver mais

A nossa banda sonora de Seattle:

Seattle é o berço do ‘grunge’, e este género musical é aqui rei, mas outras formas de música também prosperam.

  • O primeiro single "Alive" (1991) dos Pearl Jam, de Seattle, é essencial para quem gosta de ‘grunge’.
  • Sir Mix-a-Lot é um ‘rapper nascido e criado em Seattle. A música "Posse on Broadway" (1987) é sobre o bairro Capitol Hill, da cidade.
  • O jovem Jimi Hendrix costumava ficar no The Spanish Castle, um clube entre Tacoma e Native Seattle. Mais tarde, gravou a música "Spanish Castle Magic" (1967).
  • Perry Como era da Pensilvânia, mas a sua música "Seattle" (1969) é uma canção de amor para a cidade.
  • "Smells Like Teen Spirit" (1991), dos Nirvana, catapultou a banda para a fama internacional.
  • "Send in the Clowns" foi uma capa de 1975 do clássico de Sondheim da cantora Judy Collins, de Seattle, que levou ao número um das listas das músicas mais vendidas.
  • "Such Great Heights" (2003), dos Serviços Postais, foi lançado pela instituição de Seattle Sub Pop Records.
Jimi Hendrix statue
Ver mais