Skip to main content
James Brown, o "padrinho do soul"

Califórnia, Flórida, Georgia, Michigan, Tennessee, Washington, Washington, D.C.

Grandes nomes do soul norte-americano e os lugares por onde passaram no país

Por: Peter Bothum

1 de 1
  • Estados:
    Califórnia
    Flórida
    Georgia
    Michigan
    Tennessee
    Washington
    Washington, D.C.

Os pilares da música soul não podem ser confinados a uma só área geográfica ou a um só período da história.

A influência de artistas da envergadura de James Brown e Aretha Franklin é percebida em todo o mundo e continua inspirando artistas até hoje. Há algo de especial no ar das cidades onde nasceram e floresceram esses grandes nomes. Conheça a cidade natal e o refúgio das maiores estrelas do soul.

James Brown – Augusta, Georgia

Com voz emocionante, a presença de um grande pastor e a resistência de um maratonista, é inegável que James Brown foi o "padrinho do soul". Alguns chegam a dizer que ele foi o precursor de grande parte da música popular atual. Hits como "I Got You" e "Papa's Got A Brand New Bag" dominaram as paradas e as rádios, apareceram em trilhas de filmes e comerciais de TV e inspiraram uma infinidade de outras músicas. Ele nasceu na Carolina do Sul, mas sua trajetória teve início em Augusta, onde teve uma infância muito pobre e marcada por sua atuação em corais gospel. Para explorar a vida do cantor, visite o Augusta Museum of History (Museu da História de Augusta), que possui um dos maiores acervos de Brown: figurinos, artefatos, álbuns e muito mais. Faça também o James Brown Family Historical Tour (Tour Histórico com a Família de James Brown), que parte do museu e percorre todos os locais relevantes à vida de Brown, todos os sábados. Na Broad Street há uma estátua de bronze de tamanho natural e, ao lado dela, uma câmera: tire uma foto sua com o grande artista e envie diretamente ao seu telefone. O serviço é grátis! Visite o The Soul Bar, também na Broad Street, para conferir mais lembranças de James Brown com aperitivos e cerveja de acompanhamento.

 

Mais informações

Marvin Gaye – Washington, D.C.

Tendo vivido uma infância muito pobre à sombra do Capitólio em Washington, D.C., não chega a estranhar que Marvin Gaye tenha gravado um dos álbuns de soul de maior importância política de todos os tempos — "What's Going On" foi lançado em 1971. Há diversas homenagens a ele ao redor da cidade. O Marvin Gaye Park é o parque mais longo da cidade, com quase 2,6 km de extensão, e um símbolo dos esforços do cantor em prol de causas sociais. Por sua vez, o Marvin é um pequeno restaurante de bairro onde se apresentam músicos ao vivo e é servido um menu simples, inspirado nos tempos que o cantor passou na Bélgica e em sua vida na capital norte-americana. Não deixe de provar o curry vermelho de mariscos, o crème brulee e o churrasco de costela de porco. Gaye costumava frequentar o histórico Howard Theatre (Teatro Howard) para assistir a shows de gospel e R&B no final dos anos 1950. Mais tarde, passou a subir ao palco; foi ali que cantou "Stubborn Kind of Fellow" pela primeira vez, em 1962. Na casa de shows também se apresentaram outras lendas da música, como Stevie Wonder, The Supremes, Brandy e Kendrick Lamar.

O histórico Howard Theatre em Washington, D.C.

O histórico Howard Theatre em Washington, D.C.
Ver mais
Mais informações

Ray Charles: Do Sudeste ao Pacífico

Não é à toa que a voz de Ray Charles é considerada uma das mais emocionantes da era moderna. Embora sua infância em Greenville, Flórida, tenha sido marcada por tragédias (ele perdeu a visão aos 7 anos de idade), isso não o impediu de praticamente inventar o soul. Misturando o pop dos anos 1950 com R&B e jazz, ele criou joias como "What'd I say", a ganhadora do Grammy "Hit The Road Jack" e a romântica "Georgia's On My Mind", entre tantas outras. A história do artista começa na cidade de Greenvile, 75 quilômetros a leste de Tallahassee. No Ray Charles Memorial (Memorial a Ray Charles), localizado no Haffye Hays Park, é possível ver uma estátua do artista tocando teclado. A 800 metros dali fica a casa onde ele cresceu. Para reservar seu tour, ligue para a prefeitura da cidade. Ray Charles começou sua carreira em Albany, Georgia. A Ray Charles Plaza (Praça Ray Charles) possui uma grande homenagem a ele, com uma estátua de Ray ao piano e rodeado por notas musicais. Seattle tem papel central na sua carreira; ali ficam muitos lugares onde a estrela do artista começou a despontar na década de 1940. O Black & Tan Hall é um restaurante e casa de shows de soul moderna. O espaço é inspirado no Black & Tan Club, onde Ray Charles tocava com frequência nos anos 1950. A Ray Charles Memorial Library (Biblioteca em Memória a Ray Charles) foi inaugurada em Los Angeles em 2010. Seu conceito foi criado pelo cantor, que buscava uma maneira de incluir música no currículo escolar. A biblioteca possui uma área devotada ao cantor onde são exibidos vídeos, instalações narrativas e artefatos dedicados à sua vida e sua música.

Ray Charles tocando piano; ele ficou cego aos 7 anos de idade

Ray Charles tocando piano; ele ficou cego aos 7 anos de idade
Ver mais

Aretha Franklin – Memphis, Tennessee, e Detroit, Michigan

Embora tenha ascendido ao estrelato em Detroit, é importante lembrar que a "rainha do soul" nasceu em Memphis, Tennessee. Enquanto Aretha lançava sucessos como "Respect", "Chain of Fools" e "Something He Can Feel", o circuito em Memphis era inundado por gêneros similares aos dela: guitarras abafadas, muitos metais e batidas marcantes. Ela nasceu em uma cabana muito pobre no nº 406 da Lucy Avenue; o local atrai fãs curiosos interessados em fotografar a casa abandonada e ler os marcadores históricos. Depois de se mudar para Detroit, ela passou a usar sua voz inconfundível e seu charme irresistível para se tornar una estrela de respeito e colocar mais de 100 canções nas paradas da Billboard, ganhar 18 Grammys, vender mais de 75 milhões de discos pela Atlantic Records e ganhar seu espaço na Rock & Roll Hall of Fame (Galeria da Fama do Rock & Roll) em Cleveland. Ela influenciou e continua influenciando um grande número de cantoras de soul e R&B. Isso é notável em representantes de vários estilos, de Jill Scott e Whitney Houston a Janis Joplin e Annie Lennox. A Detroit Historical Society (Sociedade Histórica de Detroit) reúne e exibe discos de vinil, capas de revista e outros itens de coleção. Para ver os lugares onde a cantora se apresentava, visite o Music Hall Center for the Performing Arts e seu café no subsolo.

 

A "Rainha do soul" Aretha Franklin, grande influência de muitas cantoras de hoje

A "Rainha do soul" Aretha Franklin, grande influência de muitas cantoras de hoje
Ver mais
Mais informações

Otis Redding: Macon e Atlanta, Georgia

A história de Otis Redding é tragicamente curta, mas a vida do cantor e compositor teve uma ascensão meteórica entre o início dos anos 1960 e 1967, quando ele morreu em um acidente de avião. Ele tinha apenas 26 anos. Sua voz profunda e poderosa dava destaque a canções como "Respect", escrita por ele e muito famosa na voz de Aretha Franklin, mas também doce, como em "(Sittin' On) The Dock of the Bay". Ele cresceu em Macon, Georgia, abandonou a escola para fazer parte da banda de Little Richard e passou a gravar suas próprias canções pela lendária gravadora Stax em Memphis, Tennessee. Ele quebrava tudo em shows em toda região Sul, como no Douglass Theatre em Macon, onde ainda se apresentam artistas de soul e blues. A Otis Redding Foundation (Fundação Otis Redding) mantém um minimuseu dedicado a ele e faz um trabalho filantrópico com objetivo de capacitar e educar os jovens de Macon. No Ocmulgee Heritage Trail Gateway Park (Parque de Entrada da Trilha da Tradição Ocmulgee) fica uma estátua de Redding às margens do rio de mesmo nome. Em Atlanta, onde Redding foi lançado ao estrelato, é possível ouvir música inspirada por ele no Blind Willie's, onde se apresentam atrações locais e nacionais.

Homenagem a Otis Redding em Macon; o artista é nativo do estado

Homenagem a Otis Redding em Macon; o artista é nativo do estado
Ver mais
Mais informações

O soul moderno nos EUA

Nos anos 1990 e início dos anos 2000, muitas estrelas receberam o bastão dos pioneiros do soul e prepararam a cena para a próxima geração. A cantora, compositora e produtora Mary J. Blige, por exemplo, combina a voz poderosa de Aretha Franklin com a confiança de James Brown. O álbum "My Life", lançado em 1994, foi considerado pela revista Rolling Stone um dos 500 melhores álbuns da história. Lauryn Hill, porta-voz da banda Fugees nos anos 1990 e 2000, adotou o tom mais intimista e político de Marvin Gaye e, assim, influenciou outras artistas do hip hop, como Nicki Minaj e Jill Scott. Por ser um dos artistas mais imitados de todos os tempos, James Brown cruzou as fronteiras de gênero para influenciar artistas diversos, de David Bowie e Public Enemy a representantes do rap, R&B e hip hop atuais. Sua influência é claramente sentida no trabalho de Bruno Mars, por exemplo.

Apresentação eletrizante de Bruno Mars

Apresentação eletrizante de Bruno Mars
Ver mais
Explorar mais