Skip to main content
Gravação da cena de um urso pegando um salmão, para o filme America Wild: A National Parks Adventure

Alasca

Como fotografar um urso pegando um salmão

Por: Chris Blose

por Brad Ohlund/MacGillivray Freeman Films
1 de 1
  • Estados:
    Alasca

Todo verão, mais de um milhão de salmões deixam o oceano rumo às águas doces, nadando contra a correnteza rio acima, inclusive no Katmai National Park, no Alasca.

Para os viajantes, é a oportunidade perfeita para ver de perto um dos fascinantes fenômenos da Mãe Natureza. Para cineastas, a chance de capturar uma imagem icônica: os peixes pulando diretamente para dentro da boca de um urso-pardo esfomeado.

“Parece fácil”, disse Brad Ohlund, diretor de fotografia da MacGillivray Freeman Films. “Mas dá muito trabalho conseguir essa imagem.”

Ohlund divulgou informações dos bastidores sobre como filmar a corrida dos salmões no Katmai, onde ele, o assistente de operador de câmera Nick Savander e o fotógrafo Mark Emery acamparam por dias só para conseguir capturar essa experiência. Esta é uma das muitas cenas incríveis do filme em formato gigante América Selvagem: Uma Aventura pelos Parques Nacionais, sobre os parques nacionais dos EUA. E como todas as obras-primas, só foi possível capturar esta imagem depois de muito tempo, planejamento e uma boa dose de sorte.

Prepare-se

Não há estradas até King Salmon, no Alasca, a cidade mais próxima ao parque. E definitivamente não há estradas que entrem no próprio Katmai. Ou seja, todo o equipamento necessário para fazer um filme em formato gigante sobre os parques nacionais americanos teve de ser transportado primeiro a bordo de um avião comercial e depois num hidroavião.

E essa foi a parte mais fácil. O desafio maior? Tentar filmar em câmera lenta com uma câmera de alta definição mesmo vivendo em acampamentos nesse local selvagem.

“No modo câmera lenta, nossa câmera filma 400 quadros por segundo, e os arquivos ficam imensos”, analisou Ohlund. “Todas as noites, Nick tinha que voar para King Salmon novamente e ficar em um hotel para baixar todos os dados. A cama quentinha e confortável do hotel soava bem, mas ele não conseguia tirar mais que alguns cochilos. Ele tinha que acordar a cada duas horas para trocar os cartões de memória e, todas as manhãs, voltar para nos ajudar nas filmagens.”

E também há muita coisa pesada para carregar. Todos os dias, cada membro da equipe tinha que carregar cerca de 32 quilos em equipamentos por distâncias de 16 a 19 quilômetros para chegar de um local a outro. Os carrinhos de campismo vieram a calhar.

Também importante foi o conhecimento dos integrantes da equipe sobre encontros inesperados com ursos. A ideia era avistar (de longe) muitos ursos enquanto faziam as filmagens em Brooks Falls, no coração do parque. Mas acabaram ficando bem mais perto do que desejavam.

“Demos de cara com um urso de uns 270 quilos caminhando pela trilha bem em nossa direção”, lembrou Ohlund. “Ele devia estar pensando no almoço, e seríamos o prato principal dele. Mas começamos a fazer barulho, quebrar galhos, e por fim ele seguiu na direção oposta.”  

Fotografar essa imagem icônica de um urso pegando um salmão não foi fácil. Mas para a equipe do MacGillivray Freeman Films, valeu todo o trabalho.

Imagem icônica de um urso pegando um salmão
Ver mais
Brad Ohlund/MacGillivray Freeman Films

Seja paciente

Logo que os cineastas chegaram ao Katmai, em agosto, ficaram sabendo de algo desanimador: não havia muitos peixes este ano. E como não havia muitos peixes, também havia poucos ursos.

Entretanto, em seus anos de carreira como cineasta, Ohlund aprendeu o valor da espera. As coisas começaram a melhorar para equipe no quarto dia.

“As peças todas se juntaram e filmamos por horas”, comentou Ohlund. “Conseguimos filmar muitas cenas de peixes pulando na boca dos ursos e nadando rio acima, subindo pelas pequenas cachoeiras. Também demos sorte de estar ensolarado aquele dia. Foi tudo perfeito.”

Perfeição assim só vem com paciência, explicou Ohlund. Se você quiser capturar a imagem perfeita, precisa passar horas com o olho grudado no visor, só esperando, perseverante, ignorando os truques que os olhos e a mente começam a pregar.

“Quando esse momento mágico acontece, se você não estiver perfeitamente composto e focado, colocará tudo a perder”, disse. “O dia que conseguimos essas imagens foi incrivelmente gratificante.”

Veja esta e outras tantas cenas espetaculares da vida ao ar livre nos Estados Unidos no filme América Selvagem: Uma Aventura pelos Parques Nacionais, apresentado por Expedia e Subaru, nos cinemas no mundo todo em 2016.

Tópicos relacionados:

Explorar mais

O histórico trem da Durango & Silverton Narrow Gauge Railroad ganha a montanha

Destino

Durango